iFood tem nomes de estabelecimentos alterados por funcionário

Compartilhar em:

Segundo a empresa, um funcionário terceirizado tinha acesso a plataforma e fez alterações indevidas

O aplicativo de delivery iFood, sofreu um ataque hacker em seus sistemas na noite deste domingo (02/11), onde o criminoso alterou o nome de restaurantes para declarações políticas. “Lula Ladrão”, “Vacina Mata” ou “Bolsonaro 2022” foram algumas das mensagens que apareceram aos usuários.

Em nota, o iFood confirmou que o ataque foi causado por um funcionário de uma empresa terceirizada que presta serviço de atendimento.

De acordo com o iFood, a mudança dos nomes dos estabelecimentos cadastrados aconteceu em 6% da base do aplicativo e reafirmou que os dados dos clientes e de entregadores não foram comprometidos durante a ação realizada pelo funcionário terceirizado. Segundo a empresa, informações como cartões de crédito e credenciais ficam salvas no aparelho do próprio cliente e não ficam salvas em servidores.

“Os dados de meios de pagamento não são armazenados nos bancos de dados do iFood, ficando gravados apenas nos dispositivos dos próprios usuários, não tendo havido comprometimento de dados de cartões de crédito”, explica o iFood. “Também não há qualquer indício de vazamento da base de dados pessoais de clientes ou entregadores cadastrados na plataforma.” – Informou a empresa.

Mesmo com tantos alertas e ataques, a contratação de serviço especializado para controle e segurança de seus dados é fundamental.

Nós da Ksecurity estamos prontos para auxiliar seu negócio. Entre agora em contato com um de nossos especialistas em segurança digital: comercial@ksecurity.com.br

Fonte: CanalTech

VOLTAR

No cenário digital atual, a segurança da informação é vital para qualquer negócio. Diante de uma crescente lista de ameaças cibernéticas, a gestão de vulnerabilidade é uma ferramenta crucial para as empresas que desejam proteger seus dados e recursos digitais. 
Apenas 5% das empresas possuem um especialista em segurança cibernética com assento no conselho de administração, apesar de inúmeros estudos comprovarem existir uma forte correlação entre uma robusta proteção dos sistema e um desempenho financeiro significativamente superior, segundo um novo relatório da Diligent e Bitsight.
Pix, a popular plataforma de transferências bancárias no Brasil, está enfrentando um novo desafio: o malware conhecido como BrasDex Esse software malicioso tem como alvo dispositivos Android e se infiltra nos smartphones por meio de links ou mensagens suspeitas. Uma vez instalado, o BrasDex intercepta transações feitas via Pix, alterando o destinatário e o valor sem o conhecimento do usuário.
Rolar para cima